.

.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

073 - A [tormentosa] vindicação do Jaspion

Jaspion vence. História de fada do futuro [embora muitíssimo colocada no final dos anos oitenta] o herói nipônico vive em eterno meio-dia [o sol lancinante] ao qual a [longe de perfeita] fotografia do seriado dá tons [quase] esverdeados.

Jaspion [o herói; o menino] combate o Satan Goss. Este [Jaspion às avessas] reúne tudo o que o protagonista não é: jovem elegante, desempenado, filho do Senhor das Trevas, o Satan Goss tem um Objetivo [a conquista da Via-Láctea]; um Método [a revolta dos monstros]; e um Discurso [pagar o Mal com o Mal]. O [quase simplório] Jaspion não tem nada disso. Ingenuidade exponencial, sua condição de órfão de outro planeta o faz desconhecer as diferenças entre mulheres e homens [o que causa problemas quando entra em banheiros femininos]. Não odeia o Satan Goss [essa falta de ódio, de fato, tem lhe valido a acusação de ser avaro de qualquer sentimento, com exceção de certa atitude de espanto universal].

aspion tem poder. Thor dos bonecos de massa, transforma-se em super-robô com o qual invariavelmente derrota seu inimigo [o qual monotonamente volta no episódio seguinte]. Não guarda [no entanto] rancor. Sua única emoção [dizem seus fãs] parece certa onipresente expectativa - dizem os mesmos que trata-se da expectativa de um mundo melhor, embora tal interpretação possa ser [e talvez seja mesmo] pouco imparcial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário