.

.

terça-feira, 24 de junho de 2014

019 - Os Anjos do Paraíso

.
Um dos videoclipes com esse nome [gravado pelos estúdios Pathé nos inícios de 1964] se perdeu - tendo inexplicavelmente reaparecido por três dias no Youtube em 2010 antes de ser apagado de vez. Os Anjos do Paraíso se passa [esperavelmente] em tom branco e fora do Tempo. Seu enredo [de ingenuidade reconhecida (quase) com unanimidade pela crítica] baseia-se na vinda à Terra de Anjos – curiosos anjos [na verdade anjas] de terninho [cara de adolescente e algumas espinhas] no meio dos loucos anos 1960.

Os seres extraterrenos se horrorizam com os costumes da época – os homens de cabelo grande e as mulheres de calça comprida. Um casal de dançarinos [em frente a motivos geométricos na parede] dançam [semelhantes a robôs] o rapaz sério como uma estátua de Apolo [por um tempo indefinido e sob uma luminosidade onipresente] até que os anjos [sérios] os sentam em cadeiras [com o tom de quem vai lhes dar sermões por aquela inversão estética] e o clipe termina.

Tal peça [de resto pouco conhecida] gerou uma barafunda de interpretações de qualidade nem sempre total: os anjos de terno representariam a busca da reprovação do outro [com uma minoria afirmando que seriam os perigos da Hiper-pureza]. Outros que o clipe consistiria em verdadeira Ode à indecisão, tendo em vista o clima de expectativa que o perpassa.

A única coisa certa é que as anjas seguem uma moda tolamente ultrapassada com seus terninhos – o que reafirma [de certa forma] seu caráter de não ser deste mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário