.

.

domingo, 22 de junho de 2014

017 - O Trovador a Caminho

.
Encontrei Guilherme IX da Aquitânia [ou talvez não o tenha encontrado] em algum lugar entre Carcassonne e Castelnaudary. [Era um estranho meio-dia de sol esbraseante, não muito comum no sul da França]. Veio com sua trupe de jongleurs [pífaro, mago e tambor tocando toadas medievais à frente], a barba cor laranja – o doce desengoçamento de um deus Apolo às avessas. [De alguma forma eu não estava mais no confortabilíssimo trem-bala da Rede Ferroviária Francesa].

Chamou-me para um vinho numa estalagem [um daqueles vinhos quase cor de asfalto que as estalagens do dia 4 de maio de 1114 serviam (e de alguma forma eu sabia que me encontrava naquela data – ou em outra – e que o Trovador Guilherme completara seus bons quarenta)]. E me disse [o quinto copo já enxuto] que as mulheres não prestavam, que os bons alaúdes são aqueles feitos por feiticeiros sarracenos com cinzas de gatos listrados abatidos em noites de lua-nova em dias ímpares, que a política traz duas tristezas [ser atacado pelos inimigos e traído pelos amigos] e que [apesar de tudo] da vida restam apenas as mulheres, os alaúdes [os bons e os maus], a política e os vinhos.

Para arrematar [acompanhado pelos gestos de um patético bufão] agarrou o tambor e me contou [em versos de sete sílabas] a história de um viajante [novecentos anos depois] que [numa viagem de turismo] imaginou encontrar o primeiro dos trovadores. História por demais óbvia para ser real.

Nenhum comentário:

Postar um comentário