.

.

sábado, 21 de junho de 2014

016 - Amor sem lá estar

.
O videoclipe Je t´aime moi non plus causou [obviamente] escândalo quando poucas TVs ousaram reproduzi-lo no começo dos anos 70. O advérbio é [na verdade] indevido: não havia [ou parecia haver] nada de indecente naqueles quatro minutos em que Jane Birkin {os olhos azuis e os cabelos alourados hipervalorizados pelo câmera] suspirava e gatolejava pelo compositor Serge Gainsbourg [o indefectível cigarro e a cara de cafajeste assustado de sempre - sendo discutível se existe tal cara].

Em uma Paris esmaecida de uma [presumível] tarde de nuvens fracas, a garota [com um sobretudo negro que se lhe oculta as formas do corpo parece lhe colar inteiro na alma – uma péssima imagem que ocorreu a mais de um crítico] passeia por uma Paris de turistas e romance – a esplanada do Trocadero, de onde se tem a visão clássica de fotos de turistas da Torre Eiffel; a própria Torre, na época ainda com grama por baixo; a ponte sobre o Sena [com certa reminiscência de uma romântica Edith Piaf] em que os passantes espiam o casal [mais o casal que a câmera].

O vídeo [o que perturbou os agentes da censura da época] não possui cenas que se possa apontar e dizer É por isso que deve ser proibido! [Exceto dois segundos em que o casal se abraça em uma curiosa piscina de travesseiros, que no entanto não pareceram suficientes para endossar uma interdição]. Sua falta de medida vem [na verdade] de uma aparente ausência – a sensualidade avança tão forte que nem precisa ser explicitada [o que a torna forte ainda mais].

Nenhum comentário:

Postar um comentário