.

.

domingo, 15 de setembro de 2013

Microensaios de noite de domingo - A Lua no sonho de Méliès

Li/Vi na Internet e divido com vocês



A Lua no sonho de Méliès

Um foguete em forma de bala atinge o olho da lua e esta maluquice [não mais maluca do que certas coisas do chamado mundo real aliás] forma uma das cenas mais famosas do cinema mundial, ao menos do cinema mundial feito arte, gourmet do celuloide. [Ela se encontra no momento 4:44 do arquivo do Youtube].

Maluco, aliás, para Monsieur Georges Méliès soaria como elogio. Esse mágico-tornado-futuro-cineasta [a palavra ainda não existia] assombra o cinema. As fitas de Méliès não reproduzem o real, sequer o recriam. Na verdade, dele nem reconhecem a existência. Da banalidade as suas obras distam como a Lua da Terra.

E o Le Voyage dans la Lune [Viagem à Lua] o colocou no firmamento dos grandes diretores, sem comparação boba. Nada nele tem sentido: a conferência científica parece um contubérnio de alquimistas; deusas e anjos-estrelas embalam o sono dos exploradores [assim como a própria deusa da lua]; os selenitas [os habitantes do satélite] se ocupam mais em dançar que em atacar; e nem mesmo o chefe dos selenitas seria capaz de explicar como um foguete é capaz de cair direto da Lua em um mar da Terra.

Recomendo também um Videoclipe de um conjunto chamado The Smashing Pumpkins que fez poética homenagem ao Mestre. É tempo de re-assistir a Georges Méliès. Aliás sempre o é.

Boa Semana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário